Descanso

“Está bem ?”

Ela estava a tremer, nua, e dorida. Partes dela estavam a latejar, e as restantes apenas doíam. Ela estava exausta. Estava esgotada, por outras palavras. Farta de ser provocada, tocada, levada ao clímax outra e outra vez. Estava finalmente cheia. Acabada, por agora.

Tinha-se tornado rotina, aquela pergunta. Murmurada ao seu ouvido enquanto ele a segurava nos seus braços, para ter a certeza que não havia nada que lhe escapava, para lhe dar a oportunidade de pedir um copo de água, ou sinalizar que sim movendo a cabeça, um banho seria perfeito agora. Mas hoje as palavras não vieram, só um sorriso cambaleou através da sua cara.

O silêncio fez com que ele se endireitasse numa fracção de segundo, a ajustasse ao seu corpo, ao seu colo, ao seu peito, e lhe afagasse a cara com ambas as mãos.

“Como está ?” Um pouco mais severo desta vez, um pouco menos calmo. Preocupação transparecia na sua voz, e foi isso que a fez abrir os olhos, olhar nos dele. Ela só sorriu uma vez mais.

“Estou … bem.” Primeira palavra inspirou, segunda expirou. Pausa entre as duas. Ela virou a cara, pressionando-a no seu peito, e fechou os olhos outra vez. Ele relaxou e ela conseguia sentir o sorriso dele na maneira como os seus braços se enrolaram nela, abraçando-a até ela desaparecer.

publicado por verbistantum às 22:37 | link do post | comentar