Lábios Gretados



Um dia li um livro com 1032 páginas durante três semanas.
Se me perguntarem porque acho erótico um livro lido com prazo, a minha resposta é simples: Porque é uma ordem que foi cumprida. Impor prazos a nós próprios acaba por ser falacioso a meu ver, o objectivo a atingir depende apenas de nós e a gratificação, embora lá esteja, não creio que seja comparável com a de ser 'boa aluna'. Mas agora explicar isto dá muito trabalho.
Hoje arrumei prateleiras de livros. Suspirei e reli algumas coisas, vi marcadores e manchas de água salgada e voltei a arrumar a areia dentro dos 'livros de Verão'. Que saudades do meu Verão, que medo deste Inverno. Tenho medo outra vez. A chuva é tão bonita que me assusta. Os vidros, cristais intemporais e imponentes na ausência de sexo neste quarto tão igual e eu tão diferente. Ler sobre a morte e a paixão, ler sobre os que vivem e sentem na alma a dor de acordar e já não estar dentro do sonho que uma vez foi a vida. Ter medo faz bem, dizem.
Enviei uma mensagem a alguém importante com quem já partilhei espaços, mas nunca palavras. Vi o contacto numa revista encontrada num banco a caminho de casa. O que escrevi não tem interesse, é raro ter, mas a resposta que recebi fez-me uma mulher muito feliz durante uns não-tão-breves momentos. A melhor parte foi, evidentemente, o elogio: Achou 'uma bela frase' no meio da parvoíce. E não se riu de mim, respondeu cordialmente, o que me fez feliz.
Talvez passe a escrever a estranhos. Talvez isso seja o meu futuro, talvez assim não esteja nunca sozinha. Tenho medo de estar sozinha, de continuar assim.
publicado por verbistantum às 23:13 | link do post | comentar