Jazz

Importa, sabe? Cria-se uma sensação totalmente diferente quando mudamos os detalhes. Todas as particularidades de todas as cenas importam, e é aí que encontra o tom de tudo, o comportamento e a percepção. Troque seda por algodão, e o enquadramento será visto numa luz diferente.

Penso nestas coisas, nas combinações que criarão o cataclismo para o seu prazer e que irão dar o mote para as horas seguintes. Quanto mais o conheço mais quero entrar dentro da sua mente, fazer parte da criação de um estado espírito muito específico em si, e vê-lo sucumbir a cada bocadinho que passa, criando sensações em que me revejo. Provoca em mim sensações nunca antes sentidas. Sabe a victória, a concretização, a validação. A maneira como as minhas mãos corriam pelo seu corpo faziam-no querer-me cada vez mais. Como se isso fosse possível. Eram festinhas perigosas. Dedos a pressionar a sua pele, deixando para trás pequenas marcas, pequenas depressões que sabia que iriam desaparecer num minuto, mas que por agora eram muito reais, muito presentes. Reclamando como meu tudo o que encontrava, agarrando, mordendo, deixando a minha marca, marcando território, fazia-o sentir seguro. Dedos a agarrá-lo como se fosse a única jangada que me levaria para fora de uma ilha deserta.

A improvisação, como se fizesse da minha mão um saxofone e os meus dedos dançassem nessas válvulas, produzindo música e sensações com uma harmoniosa melodia. O jazz que radia de duas almas que, a cada nota, dançavam cada vez mais perto, ao som um do outro.

publicado por verbistantum às 23:17 | link do post | comentar